Quem conheceu Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, ou conhece seu discípulo, Mons. João Clá, Fundador dos Arautos do Evangelho, provavelmente se pergunta: “de onde vem a calma que transparece em um e outro?”.

O breve texto a seguir torna bem claro de onde provém, bem como podemos, cada um de nós, ter essa mesma calma, tão necessária, sobretudo em nossos conturbados dias.

O SEGREDO DA CALMA

Plinio Corrêa de Oliveira

Pelo dom de profecia, Maria Santíssima conheceu individualmente todos os homens que existiriam até o fim do mundo, com suas qualidades e defeitos, e tem para com cada um a misericórdia incalculável da melhor das mães.

Devemos, pois, ter a certeza de que pedindo-Lhe qualquer coisa, obteremos. Pode ser que alguém peça algo que não seja para o seu próprio bem. Neste caso, Nossa Senhora não dará. Porém, até nisso entra a misericórdia d’Ela porque, conhecendo melhor do que nós o que nos convém, a Mãe de Deus nos concede outra graça mais valiosa do que aquela pedida por nós.

Mesmo que estejamos em estado de pecado, a Santíssima Virgem tem pena de nós e nos obtém graças preciosas para nos emendarmos e brilharmos diante d’Ela por toda a eternidade.

Sendo assim, não há razão para ficarmos nervosos e agitados, pois ainda que não compreendamos por que está acontecendo algo de muito triste conosco, devemos estar tranquilos, pois a nossa Mãe vela por nós.

A perfeição consiste, portanto, em manter–se sereno e tranquilo, compreendendo que tudo se faz pela vontade de Nossa Senhora. Aí está o segredo da calma.

 

(Extraído de conferência de 12/10/1990 in revista “Dr. Plinio”, nº 239, fevereiro de 2018, p. 36. Para acessar a revista “Dr. Plinio” clique aqui )