Inscreva-se ao Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por email.

Calendário

outubro 2013
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Posts mais vistos

Revista Arautos

Revista Arautos do Evangelho

Revista Arautos do Evangelho

Amor sem fronteiras

Bem Aventurado Carlos, Imperador da Áustria, Rei da Hungria

“Bem aventurados os pobres de espírito porque deles é o Reino dos Céus”, assim inicia Jesus o seu célebre Sermão da Montanha (Mt 5).

Curiosamente algumas pessoas fixam-se apenas no termo secundário (pobres) e consideram menos o principal (de espírito).

O amor de Jesus de modo algum era excludente, não se limitava a esta ou àquela condição social, a esta ou àquela situação de alma: diz de Si mesmo ter vindo para os necessitados de médico, e estes os há em todas as partes, em todas as classes.

Não é o ter mais ou menos poder que aproxima ou afasta Jesus: vejamos o afeto com que trata um alto oficial romano, ou Zaqueu, chefe dos cobradores de impostos. Toca e cura os leprosos e vai repousar na casa de Lázaro, um dos homens mais ricos de Israel, do qual chora a morte e o ressuscita.

Imperador Carlos e a Imperatriz Zita

Em tempos mais recentes como agiu a Esposa Mística de Jesus, a Santa Igreja Católica? De modo muito semelhante ao divino Esposo: canoniza uma simples empregada doméstica (Santa Zita, Santa Ana Maria Taigi)e logo depois um Imperador (Henrique II da Alemanha).

* * *

Nesta semana há um acontecimento neste sentido: Jesus não exclui ninguém.

Poucos dias atrás, mais precisamente no dia 21 de outubro, a Igreja celebrou a memória do Bem Aventurado Carlos, último Imperador da Áustria e Rei da Hungria, falecido em 1922.

Nas culminâncias de seu cargo, era entretanto um “pobre de espírito”. Do contrário a Igreja não o proporia como modelo aos fiéis.

Santa Zita socorre os pobres

Ocorre aqui uma “coincidência”: sua esposa, a Imperatriz Zita, levava este nome em honra de Santa Zita, empregada doméstica.

Ambos —o Imperador e a empregada doméstica — eram pobres de espírito, ou seja procuraram em primeiro lugar o Reino de Deus, o viver segundo os mandamentos. Essa era a verdadeira riqueza de ambos. Por isso o amor de Jesus por ambos não estabelecia distinções, não conhecia fronteiras.

A vida do verdadeiro católico consiste em imitar o Divino Mestre. Peçamos a ele que nosso amor também seja sem fronteiras, sem excluir ninguém, pois Ele vê o íntimo dos corações, vê as nossas intenções, sejamos nós o que sejamos.

Santa Zita

Seria amesquinhar a figura de Jesus querer limitar o seu amor a estes ou àqueles. Mesmo aos pecadores Ele veio para chamá-los à conversão e desejar haver “um só rebanho e um só pastor” (Jo 10, 16).

Peçamos ao Bem Aventurado Carlos, Imperador da Áustria e a Santa Zita, empregada doméstica, que nos faça amar Jesus como Ele é.

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>