Inscreva-se ao Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por email.

Calendário

outubro 2013
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Posts mais vistos

Revista Arautos

Revista Arautos do Evangelho

Revista Arautos do Evangelho

O azul da chama

Ouvi do Mons. João Clá uma reflexão interessante, cheia de lições para a vida:

O grande Salomão — “o mais sábio dos homens”, conforme as Escrituras — entrou em agonia. Prostrado no leito real, a vida terrena esvaia-se e despontava a eternidade: era a morte.

Desde tempos antigos era costume o moribundo ter na mão uma vela, uma chama, como sinal da fé em Deus. Mas na câmara real não havia uma vela sequer. Como seguir o costume?

O único fogo era o de um braseiro. Mas… pôr uma brasa na mão do rei?

Uma criança deu a solução.

Salomão
Estátua na Catedral de Stasbug – França

—Ponham um pouco de areia daquele vaso e coloquem a brasa em cima.

Salomão, o mais sábio dos homens, disse com a voz sumida:

— Morrendo e aprendendo.

* * *

.

A chama da vela, é tida desde tempos imemoriais como símbolo da fé e da vida. Na Missa, as velas no altar simbolizam a fé dos presentes. No Batismo, a vela portada pelos padrinhos é o símbolo da fé a ser recebida neste Sacramento. Assim por diante.

Mons. João Clá Dias
Fundador dos Arautos do Evangelho

A vida poderia comparar-se a uma vela acesa, em que a Fé seria a chama. O cuidado a se ter é o mesmo que se teria com uma vela material: evitar que a chama se apague.

.
.
.

Como não deixar apagar-se a chama da Fé?

Mons. João tratou então do ponto central da questão: como preservar a chama da Fé?

Há um recurso fundamental: nossa fé deve fundar-se em princípios, em convicções. Para levarmos adiante a analogia com a chama da vela, observemos o seguinte:

A chama de uma vela compõe-se de três partes: há, bem junto ao pavio, uma pequena área azul; na parte periférica, uma luz intensa, extremamente quente; entre uma e outra, uma área de transição entre o azul e a luz.

Submetida a situações adversas — um sopro, por exemplo — a parte luminosa e quente quase desaparece. Se for um sopro mais forte, resta apenas a parte azul “agarrada” ao pavio. Se este azul se apaga… a vela se apaga.

De modo análogo, com a fé: o azul são as convicções; estas geram argumentos, normas de conduta, zelo em fazer bem ao próximo etc. A graça de Deus alimenta todo esse conjunto, traz consolações, ânimo, entusiasmo sensível etc. Se alguma adversidade se apresenta, esta parte sensível diminui e até pode desaparecer temporariamente. Só as convicções — o azul — permanecem.

É, portanto, essencial para nossa perseverança termos convicções e princípios bem firmes: na hora da provação, da aridez são eles que restam, fortalecidos pela graça.

Vemos tanta gente desnorteada, sem saber tomar uma decisão, sem saber no que acreditar. Nesses, o “azul” é tão fraco que o menor vento apaga.

Sem convicções não há ânimo

Outra funesta consequência: sem convicções não há ânimo, não há zelo pelo bem, pela verdade. A alma perde seu brilho e o desejo de fazer bem ao próximo.

Se o leitor quiser saber como está a fé de alguém, para poder ajuda-lo, faça esta experiência: se a pessoa não tem ânimo, provavelmente tem uma fé débil — procure ajuda-lo. E o melhor caminho para aumentar a fé é por meio da oração. Peça-lhe que reze pelo menos ao levantar-se e ao deitar. Se propor rezar o terço, ao menos de vez em quando, encoraje-o.

É a chama de sua fé comunicada a outra que está bruxuleante.

E você terá um prêmio: a sua própria fé aumentará.

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>