Como é o fim de ano nos Arautos??

Salve Maria!

No último dia do ano de 2019 os Arautos do Evangelho Curitiba/Piraquara realizaram Missa Solene com exposição e bênção do Santíssimo, recitação da Consagração a Nossa Senhora e cântico do Te Deum.

Em confraternização com as famílias provaram uma fantástica salsichada Alemã.

Este é o fim de Ano dos Arautos do Evangelho de joelhos agradecendo o ano que passou e cantando as Graças e preparando-se para perplexidades do ano que se inicia.

Venha conhecer os Arautos do Evangelho

Missas todos os domingos as 17h

Rua Anthenor Gaspar Zeni, 415 – Botiatuvinha – Piraquara – Pr

 

Bispo de São José dos Pinhais visita os Arautos

Salve Maria!

Tivemos a alegria de receber em nossa casa a Dom Celso Marchiori – Bispo Diocesano de São José dos Pinhais.

Venha com sua família visitar-nos!

Rua Gaspar Anthenor Zeni, 415, Botiatuva (Antiga Estrada Jess, 707) – Piraquara-PR

Link: https://www.youtube.com/watch?v=Kdad3–yhok&feature=youtu.be

Núncio promove Cantata Natalina dos Arautos do Evangelho

O Núncio Apostólico da Santa Sé em El Salvador, Dom Santo Rocco Gangemi promoveu um Concerto Natalino dos Arautos do Evangelho para o corpo diplomático creditado naquele país.

Realizado na capela da Nunciatura Apostólica, contou com a presença de Embaixadores e conselheiros de numerosos países, entre os quais Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Espanha, Rússia, Argentina, México, Costa Rica, Colômbia, Chile, etc.

Após o Concerto, os membros do corpo diplomático confraternizaram com os jovens Arautos em agradável coquetel.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um perfume de Natal no ar

Aproximando-se as festas de fim de ano, as casas já começam a ser adornadas com arvorezinhas, quase todas artificiais, cheias de bolas e enfeites coloridos, as lojas se preparam para vender mais, os funcionários fazem horas extras, contrata-se alguém para vestir-se de Papai Noel, e todo mundo fica à espera do décimo terceiro para a ceia e para os presentes, ou para as viagens.

Todos se preparam para viver esses dias de feriado, de festas e de gozo. Mas foi sempre assim, tão reduzida aos seus aspectos materialistas, a época do Natal? Lembram-se hoje as pessoas d’Aquele de quem celebramos o nascimento?

Tempo houve em que os dias que antecediam o esperado 25 de dezembro traziam um perfume sobrenatural no ar. Bem antes, a alegria dominava os corações. A cidade se enfeitava mais, armavam-se árvores e compravam- se os ingredientes para as deliciosas ceias.

Os adultos saíam misteriosamente à rua, voltavam carregados de pacotes e os pequenos não se davam conta de nada… ou pelo menos sentiam gosto em parecer que nada percebiam! Nem sempre os presentes eram caros, mas dados com todo o afeto! Dominava a tudo a figura do Menino Jesus.

O presépio

Ao lado dos pinheirinhos, às vezes tão altos que chegavam ao teto da casa, o presépio nunca podia faltar.

Buscava-se musgo nos campos ou nos mercados, plantava-se arroz em pequenos vasinhos no dia 8 de dezembro, festa da Imaculada, para que no dia 24 estivesse bem crescidinho, tudo feito para dar o ar mais real possível à gruta de Belém, onde ia nascer o Salvador. A manjedoura vazia só ia ser ocupada na madrugada do dia 25, quando nascesse o nosso Redentor.

Os Magos, ao longo dos dias, iam percorrendo o caminho, seguindo a estrela que os guiava, e só chegavam na santa gruta no dia 6 de janeiro, como narram as mais antigas tradições.

O dia 24 de dezembro já amanhecia completamente diferente. A par do agradável cheiro de pão-de-mel, de chocolate e do peru, que era assado devagar, um ambiente de santa alegria pairava sobre toda a cidade.

As roupas novas eram cuidadosamente preparadas. Por volta das cinco ou seis horas da tarde, o movimento das ruas começava a cair. Nas casas todas as lâmpadas eram acesas, as árvores de Natal coruscavam com suas luzinhas coloridas. A noite ia chegando e as pessoas preparavam-se para a Missa. Às dez horas as igrejas começavam a abrir-se e muita gente ia chegando. As senhoras rezavam ou às vezes cochichavam entre si, os homens bocejavam, e as crianças esperavam ansiosas a entrada do Menino Jesus, que seria levado pelo sacerdote para completar o belo pres épio, com a manjedoura ainda vazia.

A bela imagem do Menino Jesus

Ouvia-se um bimbalhar de sinos, os cânticos enchiam a igreja dos sons daquela noite feliz. Nasceu o Menino Jesus! O Padre entrava com uma encantadora imagenzinha de nosso Deus feito menino e a depositava no presépio. Vários fiéis acorriam ali para venerá-la. Começava a Missa, e o Natal chegava a seu auge na hora da Consagração e da Comunhão.

Terminada a Eucaristia, muitas famílias compartilhavam uma deliciosa ceia noite afora, celebrando tão excelso aniversário. Outras preferiam comemorá-lo com um suculento almoço no dia seguinte. Mas o que era comum em todas as casas era ver as crianças, já no dia 25, brincando e desfrutando de seus novos presentes, contentes por ver que o Menino Jesus trouxe a alegria da salvação e os premiou por seu bom comportamento.

Muitas famílias visitavam-se para pessoalmente cumprimentar seus amigos e parentes, desejando-lhes os melhores votos de um Santo Natal, repleto das bênçãos de Deus. Era de fato um tempo de paz em que a fé estava presente e reinava a harmonia entre as pessoas.

Perdeu-se este sentido verdadeiro do Natal? O consumismo, o desejo do gozo da vida e a preocupação apenas com o que é terreno terão conseguido apagar inteiramente nas almas o espírito natalino? Continuará o Natal a ser celebrado sem ter em conta que esta é a festa do nascimento do Menino Jesus, que se encarnou e nasceu de Maria Virgem para nos abrir as portas do céu? Não mais retornarão as inocentes alegrias das festas natalinas de outrora?

Difícil é responder positivamente a essas questões. Mas lembrando-nos do poder da Graça divina, resta-nos a esperança da restauração dessa alegria sobrenatural.

Quiçá, nosso leitor se sinta inspirado a orar para que volte essa atmosfera de inocência e que esse perfume de espírito cristão impregne novamente os lares. Não apenas o perfume de tempos passados, mas o de uma nova era que se aproxima, era do triunfo do Imaculado Coração de Maria, que fará desta festa uma verdadeira “Noite Feliz”… (Revista Arautos do Evangelho, Dez/2002, p. 38-39)

“Contem conosco para o que vocês precisarem!” – Vídeo

Depois de assistir a inauguração do tradicional presépio natalino, feito pelos alunos do Colégio Arautos do Evangelho, o General Márcio Ribeiro, comandante da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada enviou uma mensagem para os jovens alunos:

“Temos diversos valores em comum: disciplina, vocação, sacerdócio… isso é muito bonito e une os Militares à Ordem dos Arautos. Vocês têm excelentes professores, excelentes orientadores pedagógicos educacionais e também religiosos, continuem estudando, não esmoreçam. Vocês têm uma oportunidade que está se descortinando, se dediquem e com certeza vocês atingirão seus objetivos. Tenham certeza, nesse mundo de hoje, vocês estão no caminho certo. Contem conosco, com o Exército Brasileiro, braço forte e mão amiga, para o que vocês precisarem!”

Preparando o Natal com os Arautos do Evangelho

O nascimento de Jesus marcou a História a tal ponto que nós (e até os ateus…) a dividimos em AC (Antes de Cristo) e DC (depois de Cristo).

Este acontecimento, único na História, marca também a vida de quem tem fé em todos os tempos. Por isso marca muito especialmente a vida entre os Arautos do Evangelho. Uma pequena, mas muito interessante mostra disso é o curto vídeo do treino do Coro e Orquestra do Colégio Arautos do Evangelho. Assista.

A beleza leva à Verdade

“Pontualidade britânica” — é como costumamos nos referir a alguém que cumpre realmente os horários. E como símbolo dessa pontualidade há um verdadeiro monumento: o Big Ben.

Esse relógio poderia ser também o símbolo de outra “pontualidade”, que não se limita à exatidão no cumprimento dos horários, mas na busca da verdade, do bem e do belo. Continue lendo A beleza leva à Verdade

Uma visita a Assis

Há lugares marcados para sempre por pessoas que ali viveram, sobretudo se foram santos. Deixam um perfume da santidade que perfuma o ar como uma flor perfuma um jardim.

Um desse lugares é incontestavelmente Assis: a cidade ficou ligada indissoluvelmente a São Francisco, seu filho por excelência.

Percorrendo com os olhos as campinas circundantes é fácil imaginar-se o “Pobrezinho de Assis” entoando seu Cântico das Criaturas: “Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos Céus”. Continue lendo Uma visita a Assis

Resgatando o tempo perdido

Numerosas pessoas comentam o tempo que perdem indo ou voltando do trabalho, da faculdade e de outros percursos nas grandes cidades. Alguém observou que o geral das pessoas passa o tempo olhando o mesmo trajeto que já conhecem incontáveis vezes. Um olhar praticamente sem fruto, inútil. Poucos aproveitam para ir constituindo um tesouro: rezar o Rosário.

Caso você tenha perdido o hábito de rezá-lo, ou “não tenha tempo”, aproveite esse tempo perdido: reze o Rosário.

Para incentivá-lo, as considerações que seguem podem lhe ser úteis. Continue lendo Resgatando o tempo perdido