Inscreva-se ao Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por email.

Calendário

novembro 2013
D S T Q Q S S
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Posts mais vistos

Revista Arautos

Revista Arautos do Evangelho

Revista Arautos do Evangelho

O peso das coisas “sem peso”

Em nossa sociedade com tantos traços materialistas, em que o número, o tamanho, o preço imperam, é-se levado a valorizar quase exclusivamente o palpável, o concreto.

Entretanto sabemos que um conselho, um bom trato, um sorriso podem ser decisivos quando queremos fazer o bem, fazer voltar-se para coisas mais elevadas, ter ânimo para sair de situações difíceis.

Uma experiência científica veio comprovar isso: o peso das coisas aparentemente “sem peso”.

Uma equipe de cientistas americanos ⁽¹⁾ procurou avaliar os fatores que contribuem para o crescimento dos vegetais. Para tal plantaram mudas pequenas em enormes vasos de boa terra.

Depois de alguns anos retiraram os já crescidos arbustos ou pequenas árvores. Limparam cuidadosamente as raízes, de modo a qualquer resquício de terra ficasse nos vasos.

Constataram que todas (com variações mínimas) tinham retirado da terra menos de 1% de substâncias sólidas. Ou seja um arbusto com 100 quilos, retirara menos de um quilo da terra. Para ser preciso, retirara apenas 600 gramas, 0,6% portanto, de matéria. Entretanto ali estava um arbusto material, pesando 100 quilos. De onde vieram os outros 99,4 quilos?

Nada mais nada menos do que de reações orgânicas em que os componentes eram: água, ar e luz. Para deixar bem claro: o estopim de tudo era… a luz solar. Esta determinava a combinação de novos elementos a partir da água, reagindo com o ar e formava elementos “de peso”… inclusive físico.

Mudas semelhantes, dispondo do mesmo solo, da mesma água e ar, mas sem luz solar, definhavam e morriam.

* * *

Por que tudo isso?

Poque em muitos há, hoje em dia, só o palpável: o dinheiro, o conforto (quando há…), os bens materiais, os prazeres meramente animais… Faz falta o “Sol” do amor de Deus, da confiança n’Ele que é Criador, Redentor e Pai.

Vários casos são como os arbustos acima, porém sem o sol. Têm o concreto do solo, o menos concreto da água, o menos ainda concreto do ar, mas falta-lhes a luz do “Sol”.

É voz comum — e até uma coisa óbvia —: se o nosso sol deixasse de existir, toda e qualquer forma de vida desapareceria.

Assim também na nossa vida. Somos seres mistos de matéria e espirito, corpo e alma. Em nosso ser, tem preponderantemente “peso” a nossa alma. Se a tiramos do “Sol” da verdade, do Bem e do Belo de Deus, ela definha e “morre”.

Veja, caro internauta, o que fez uma coisa quase impalpável: o ar. Constate isso no presente super-tufão nas Filipinas: boa parte de um país quase totalmente destruído pelo… ar…

Assim, quando nossas vidas parecem enfraquecidas, anêmicas, estéreis, não será por falta do “Sol”, ou seja de Deus?

Pense nisso.

.
.

⁽¹⁾ John Pfeiffer e René Dubos, “O raio de luz, fonte de energia vital”, in “A célula”, Ed Time-Life, 1964, tradução brasileira: Ed Livraria José Olympio Editora, Rio de Janeiro, 1968, p. 32 e ss.

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>