Inscreva-se ao Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por email.

Calendário

outubro 2014
D S T Q Q S S
« set   dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Posts mais vistos

Revista Arautos

Revista Arautos do Evangelho

Revista Arautos do Evangelho

CARTÃO DE VISITA

Imagine, caro internauta, alguém ansioso por ir ter com alguém capaz de trazer-lhe uma inteira satisfação de suas necessidades e trazer-lhe a felicidade mais completa. Mas, onde está esta pessoa? Como chegar a ela?

Em uma ocasião fortuita, alguém, sabedor de tal situação, diz-lhe saber bem quem é aquele que esta pessoa procura e… dá-lhe até um cartão de visita.

É bem verdade que ainda não chegou até aquele que procura, mas já tem seu cartão de visita onde consta até o endereço. Bem se pode imaginar a alegria e esperança dessa pessoa.

Ora, nós todos percebemos ter sido feitos para encontrar Alguém (com “A” maiúsculo), e sabemos que esse Alguém é a de uma infinita bondade. Será que Ele não nos dá, de vez em quando, um “cartão de visita”?

É sobre esse “cartão de visita” que trata o artigo a seguir.

BRILHO FUGAZ DA LUZ CELESTIAL

Fahima Spielmann

Gemendo e chorando neste vale de lágrimas”— eis nossa condição,tão bem expressa na Salve Rainha, oração que poderia ser qualificada como a prece da esperança em alcançar a bem-aventurança do Céu, anseio de todo ser humano sob o jugo das labutas e sofrimentos(cf. Gn 3, 17-19).

Junto a esse desejo de obter a verdadeira felicidade, dir-se-ia haver também na alma do homem algo como que saudades de um Céu por ele ainda desconhecido. E tais sentimentos o auxiliam a coibir suas más inclinações, pois ao recordar o prêmio eterno a que seus atos concorrem,refreiam-se os desvarios de sua natureza decaída.

Conhecendo, desde toda a eternidade, esse insaciável anseio, excogitou Deus, em sua sabedoria e bondade, dar ao homem criaturas que lhe recordassem a fugacidade desta vida e a perenidade da outra, estimulando-o a praticar o bem, na esperança de ver finalmente satisfeitas suas mais altas aspirações.

Uma destas criaturas é o simpático beija-flor. Rasgando os ares com seu bico semelhante a uma lança, fende os céus disposto a tudo enfrentar para alcançar sua meta, à primeira vista muito pequena: a corola de uma flor. Esta delicada ave nos ensina, assim, a nos contentarmos com o “pouco” que encontramos nesta vida, enquanto Deus nos prepara para o “muito” que nos dará na futura.

Devemos possuir o jubiloso equilíbrio que tanto transparece no beija-flor. Distante de qualquer depressão ou frenesi, sai ele de flor em flor,aparentemente tomado pela alegria de estar cumprindo a finalidade para a qual foi criado.

Aspecto peculiar a este regozijo é sua agilidade. Nesta vivacidade, ele “fica parecido a uma joia preciosa que Deus criou para o homem poder olhar e nunca segurar, e ter o encanto da coisa fugidia que passa, a qual, neste vale de lágrimas, é para nós uma esperança do Céu. Quer dizer, ele foi feito para ser fugaz. A Providência criou nesta Terra de exílio uma porção de coisas fugazes ótimas— que deixariam de ser ótimas se não fossem fugazes —, para nos dar uma tinta do Céu. […] Deus teve pena de nós e nos mandou um vaga-lume do Céu para a Terra, para acender e apagar, fazendo-nos entender algo do Céu”. (*)

Se o beija-flor fosse passível de felicidade, desbordaria de contentamento ao ver-se realizando, com suas reações variadas e saltitantes, o fim para o qual foi criado: ser para o homem um brilho fugaz da luz celestial.

(*) CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Uma joia dotada de asas. In: Dr. Plinio. São Paulo. Ano XV, nº 174, setembro de 2012, p.34.

(O artigo de Fahima Spielmann, foi publicado na revista “Arautos do Evangelho”, nº 130, de setembro de 2012, p. 50-51. Para acessar o exemplar do corrente mês clique aqui )

Ilustrações da revista Arautos do Evangelho

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>