Certo homem, de vida péssima, recebia contínuas exortações de inúmeros cristãos fervorosos – entre os quais se encontrava São Thomas Morus – para se converter e abraçar as vias da virtude. Ao ouvir tais apelos, invariavelmente respondia: “Converter-me? Ainda tenho muito tempo! Na hora da morte salvar-me-ei com três palavras: “Senhor, perdoai-me”.

Viajando certa vez à cavalo teve de passar por uma ponte. De súbito, o animal agitou-se e, descontrolado, jogou no rio o ímpio presunçoso.

Ao cair, o que se ouviu foi algo muito diferente de “Senhor, perdoai-me”: pelo contrário, seus lábios proferiram uma horrível blasfêmia.

Não deixemos nossa mudança de vida para o futuro. Vivamos cada dia como se fosse o último de nossa existência, pois são do próprio Deus as palavras: “Virei a ti como um ladrão, na hora em que menos esperas”(Ap 3, 3).

Ninguém sabe em quantos minutos chegará a morte. É preciso estar pronto para recebê-la a qualquer momento.